O Natal é, na sua essência, respeito. Respeito por nós mesmos e pelos outros, respeito pelas crenças e escolhas de cada um

O Natal são muitos natais. Existem muitas razões para celebrar o Natal.
Compartilhe:
23/12/2019

O Natal do menino Jesus para quem a religião é indispensável e se filia às tradições mais remotas, ou do Papai Noel, esse velhote barbudo de cara simpática, que leva os pequenos ao delírio e faz as delícias dos comerciantes.

Mas Natal é sempre Natal, e Natal é família.

 

É a altura de unir abismos e dar de nós aos outros. Mesmo que não acreditemos, devemos aproveitar essa quadra em que a humanidade parece mais predisposta à união e aos afetos.

Devemos fortalecer laços com os nossos, resolver desavenças e celebrar a passagem de mais um Natal em família. E se assumirmos o espírito natalino por inteiro, devemos pensar em quem se encontra ao nosso lado e não tem a sorte de ter com quem partilhar a época e dar também um pouco de felicidade e afeto a quem necessita.

A família de Natal não tem quer ser apenas a família de sangue. O Natal é confortar, é relembrar sentimentos bons, como a compaixão e a solidariedade, a confraternização e o amor. Também pode ser os presentes e as prendas que não têm de ser necessariamente caras para ter valor. A lembrança pode ser uma extensão do nosso afeto, quando nela colocamos a nossa criatividade e sabemos que transporta sentimento na mensagem. Escolher um presente com intenção e significado é também amor. O tempo que dispensamos a escolher ou a preparar mostra a importância da pessoa.

O Natal é o que quisermos que ele seja; é argumento para estarmos com quem amamos e agradecer.

O Natal é para os que acreditam na religião e para os que acreditam no amor. Ele é, na sua essência, respeito. Respeito por nós mesmos e pelos outros, respeito pelas crenças e escolhas de cada um.

O Natal é a propagação da boa energia, mas também saber que há quem não a partilhe por diversos motivos. É a altura de abolir diferenças e a humanidade se dar tréguas, é descanso na partilha, é estar feliz por estar rodeado, é a privacidade partilhada.

Temos de respeitar a crença de todos, seja ela qual for. Mesmo se não for nenhuma, também tem que ser respeitada, pois crença é uma escolha, escolha é um ideal e ideais são crenças.