A verdade é que somos egoístas mesmo quando somos altruístas

A verdade é que somos egoístas mesmo quando somos altruístas. O ser humano se preocupa demasiadamente com a reciprocidade, precisamos obter de volta o que oferecemos ao outro, e se não recebemos, nos sentimos frustrados e

Créditos do fotógrafo Foto de Jacob Townsend no Unsplash

Compartilhe:
15/07/2021

A verdade é que somos egoístas mesmo quando somos altruístas. O ser humano se preocupa demasiadamente com a reciprocidade, precisamos obter de volta o que oferecemos ao outro, e se não recebemos, nos sentimos frustrados e amargurados.

O egoísmo é bíblico: Amar o próximo como a ti mesmo- Mateus 22:37-39.

Quando agimos assim, estamos preocupados com que o outro aja na reciprocidade. Dizemos internamente: “amo o outro para que assim ele também me ame”.

O EGOÍSMO É UM DOS SENTIMENTOS MAIS ANTIGOS, É UM MARCADOR GENÉTICO DE SOBREVIVÊNCIA.

MESMO QUANDO PENSAMOS NO OUTRO, ANTES PENSAMOS EM NÓS MESMOS.

Quando fazemos algo de bom para o próximo, sobra em nosso interior algo de melhor, uma sensação de satisfação que vai além do reconhecimento e da gratidão alheia.

Os egoístas têm uma péssima fama; o egoísmo ao ser revelado causa constrangimento.

Mas se buscarmos a origem desse comportamento, ele esteve desde sempre implantado em nosso código genético para que agíssemos em defesa e para a preservação da nossa própria espécie.

Quando iniciamos nossa vida, lidamos com este sentimento de maneira natural e espontânea. As crianças, por exemplo, nos primeiros anos de vida são egoístas e egocêntricas e não disfarçam suas intenções a favor de si mesmo. Elas querem primeiro para si, depois dividem com os outros, elas precisam satisfazer suas necessidades e só depois que recebem o querem, param de chorar.

As convenções sociais e seus códigos de conduta ainda não constam em seu repertório de comportamento. Somos animais humanos e sob esta condição a infância é um excelente observatório do que chamamos dos comportamentos que chamamos nos adultos de “egoístas”.

Quando nos deparamos com pessoas egoístas devemos entender que elas estão cumprindo o programa genético para o qual foram programados.

A partir do momento que desenvolvemos a linguagem e tomamos conhecimento das leis, passamos a usar máscaras sociais que fazem com que essa característica egoísta seja driblada pois desejamos nos proteger dos julgamentos, queremos passar despercebidos, e evitar as condenações sociais.

Mas o fato é que todos somos egoístas quando queremos preservar a nossa vida, a nossa imagem, a nossa família, ou seja, os nossos interesses.

O verniz social, ações que nos fazem brilhar no palco da vida, exige uma camada de altruísmo, que tenta esconder a superfície do egoísmo. Mas há sempre um pensamento que nos leva a agir pelo outro pensando em nós mesmos.

A generosidade é exaltada, mas podemos perceber nos mínimos atos de caridade que somos egoístas mesmo quando somos altruístas. Fazemos o bem sem olhar a quem para que sejamos vistos socialmente com outros olhos, ou para que nos sintamos bem com a gente mesmo.