A sociedade vive o resultado da própria ignorância. Protesta contra si mesmo o presente desastroso de um passado irracional

Divulgado recentemente, o estudo intitulado Perils of Perception (Perigos da Percepção) apontou que o Brasil é o terceiro país mais ignorante do mundo. Realizado com 33 nações de todos os continentes, o
Compartilhe:
02/10/2018

Divulgado recentemente, o estudo intitulado Perils of Perception (Perigos da Percepção) apontou que o Brasil é o terceiro país mais ignorante do mundo. Realizado com 33 nações de todos os continentes, o levantamento mostra que o país que menos sabe sobre sua própria situação é o México, seguido pela Índia e depois o Brasil. Em 2017, uma pesquisa do Ipsos mostrou que os brasileiros só perdem para sul-africanos em percepção distorcida sobre a realidade.

Para o filósofo, jornalista e pesquisador Fabiano de Abreu, o reflexo da situação atual do Brasil está respondido nesta pesquisa: "Contra fatos e provas não há argumentos. Desde pequeno falo essa frase. Estou com 37 anos e nunca vi um Brasil melhor. Já vivemos uma oscilação e com a minha idade não tenho como dizer que já fomos um país bom. Na realidade desde quando nasci escuto sobre violência, problemas econômicos, então na verdade minha geração passou longe de ter um país bom. Meus pais vieram da Europa e diziam que o país era melhor, mas também na época deles havia menos gente, a cabeça das pessoas era bem diferente e os grupos eram mais isolados uns dos outros. Não sei como era a época dos meus avós, mas o Brasil está deplorável e com o tempo vai piorando. É aí que o povo comete o erro da ignorância”.

“Nos últimos 12 anos vivemos um momento em que a economia deu uma ativada, o país não desenvolveu, mas deu uma ativada. A moeda deu uma circulada porque o governo estava bom ou porque foi injetado dinheiro para que circulasse? Até onde isso pode ser aplicável no futuro? O reflexo desse dinheiro injetado foi um colapso. Esse dinheiro injetado deixou um buraco do outro lado. Sem contar a corrupção que sem dúvida foi o marco da história. Sendo assim uma corrupção do jeito que foi, de um dinheiro desviado, fica difícil. Agora se depois desse exemplo que tivemos voltar os mesmo políticos, será um atestado de ignorância do povo que não vai ver uma melhoria”, completa Fabiano de Abreu.

"É preciso fazer uma retrospectiva para saber se algo foi bom usando como orientação os países desenvolvidos. Não estou dizendo que as pessoas são ignorantes, estou usando os fatos da pesquisa. Hoje moro em Portugal e o dizem por aí é que a culpa do Brasil é da ignorância de sua população. Cabe a cada um refletir, buscar conhecimento e deixar de ser ignorante", completa Fabiano de Abreu.

O especialista conclui afirmando que a "sociedade vive o resultado da própria ignorância. Protesta contra si mesmo o presente desastroso de um passado irracional"; "Vamos para uma questão óbvia a estes 12 anos que estamos nessa situação linkada a um partido político. Não tivemos melhorias, tivemos roubos de pessoas investigadas e elas voltando ao poder. É um atestado de inteligência? O Rio de Janeiro, por exemplo, está acabado e destruído, e está tudo ligado a esse partido a esses anos todos. Está uma porcaria, tudo ruim. Se você pegar países como Venezuela e Cuba vai perceber o povo assinou o atestado de ignorância. O México é um país que poderá estar muito bom, mas fica ali do lado dos Estados Unidos e enfrenta os mesmos problemas daqui. O país está todo metido em corrupção. Você tem a Coreia do Norte e Coreia do Sul, e a do norte é um povo muito mais ignorante pois a própria ditadura faz com que o povo seja mais ignorante. Você não pode ver internet, não pode assistir televisão. O país cria um sistema para que a população seja ignorante para perpetuar o poder. Na Coreia do Sul as pessoas têm uma posição de vida maravilhosa. A Alemanha quando tinha o muro que dividia a parte oriental e ocidental era uma porcaria, as pessoas passavam fome. A questão é o retrato da humanidade. A China só foi melhorar quando aumentou as fábricas, implementou o capitalismo... Ou seria um comunismo disfarçado".