“Esquecer o dia da descoberta do Brasil é interromper a certeza de que para se mudar um país é preciso ter cultura.” Frase filosófica

Hoje me abate uma tristeza, típica de quem buscou conhecimento para compreender o presente e planejar o futuro. Constatei após breve pesquisa o absurdo de não propagar nossa lembrança: Dia do Descobrimento do Brasil,
Compartilhe:
25/04/2019

Hoje me abate uma tristeza, típica de quem buscou conhecimento para compreender o presente e planejar o futuro. Constatei após breve pesquisa o absurdo de não propagar nossa lembrança: Dia do Descobrimento do Brasil, 22 de Abril. E qual o porquê?

É fácil por a culpa dos problemas do Brasil na colonização, mas e se não fossem os portugueses, e em seu lugar fossem os ingleses a colonizar? E se fossem os franceses (que inclusive tentaram invadir o Brasil em 1530)? Não importa. Sem o chamado Descobrimento não existiríamos, pelo menos não do modo como hoje somos, pois a história, a nossa história, é consequência deste descobrimento. 


É triste constatar que esta data está hoje esquecido no tempo, renegada aos livros de história, provavelmente devido a falta de esperança, sentimento este que sempre esteve impregnada em cada cidadão. A esperança que nos fez acreditar que o Brasil era 'o país do futuro’ e que até no futebol nos serviu para nos conformar diante da falta de mudança frente aos nossos problemas.


Desde que nasci eu ouvia falar que o Brasil ia mudar. Na época a violência já assustava e foram ondas de violência de diferentes formas em diferentes momentos, e de lá pra cá só piorou. Há 30 anos atrás as telenovela já falavam da corrupção política, mas até agora nada mudou; ou será que mudou para pior? Ou jamais melhorou? Ou sempre esteve ruim? 

Alguns ignoram o descobrimento, mas e se fôssemos todos índios? Não seríamos nós, seriam outros, em um outro contexto social e tecnológico. Somos o resultado daquele descobrimento, Dos portugueses que foram os colonizadores que menos escravizaram os povos colonizados e que tentou misturar as raças, em vez de exterminá-los como os espanhóis, que dizimaram os Incas, Aztecas e Maias. Enquanto os argentinos dizem que não há muitos negros no país porque os escravos estão no fundo do Mar Del Plata, na América do Norte havia segregação racial e na África fizeram o Apartheid, assim como a colonização inglesa na Austrália separava os povos, criaram diferenças. E nós no Brasil? Vivemos a diferença e somos resultado disso. 

Na época do Império, uma das melhores e mais prósperas do país países, o Rio de Janeiro era comparado a Paris, em pleno desenvolvimento. Aconteceu tanta coisa, tanta coisa, mas não damos valor. 

Mas de tudo isso, o que jamais poderia acontecer é esquecer da nossa identidade, de quem somos, o que somos e relembrar que a última coisa que nos pode faltar é cultura, pois sem ela não há sequer memória daquilo que nos fez chegar até aqui, e sem memória não há gratidão.